4 de ago de 2011

Perpétuo

Já não é sua pele que necessito tocar.
Seus beijos pra mim, já não tem o mesmo sabor.
Quem sabe, seja eu a culpada...
Dispus-me pra ti com o fervor que o sentimento me intensificava, cada dia além.
Despi minha alma de todo medo.
Só deixei!
Puramente!
Mas o valor que você me atribuiu, foi o mesmo do que o que foi jogado fora, descartável, sem préstimo...
Ainda assim, lutei!
Te queria, era o meu único significado.
Mas sua incapacidade de perdoar condenou o que de lindo tinha em nós.
Conseguiu por muitas vezes o que tanto queria: me machucar.
Mas não sabia que sua lança nada mais foi do que uma espada e feriu nós dois, com suas duas faces.
Você até bebeu meu sangue na sua taça dourada, sem perceber que dentro, havia o seu. Que como veneno, estava misturado ao meu. Por isso o amargo!
Hoje o efeito foi inesperado:
Enquanto você consumia o meu sangue, arrancava de dentro de mim o que ainda restava de você, fazendo com que eu me curasse, porém, fez com que você me perpetuasse dentro de ti. 

*** Texto escrito há 2 anos atrás.
E com um porque, que  provavelmente quase ninguém (ou ninguem além de mim) vai entender. Mas essa musica tem a ver com o passado da história (que é verídica) do texto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário