5 de ago de 2011

Complemento

Você veio junto com o meu negar, mostrar o doce sabor, o qual já há muito não queria mais em mim.
Renasceu a vida junto com o seu sorriso que fez o meu palpitar *descompassante e *envergonhante, gritar o seu nome através dos meus olhos, do meu sorriso de criança feliz na simplicidade de um tocar de lábios, que nos fez misturar cor, cheiro, sentimentos, recíprocas...
 E no amanhecer daquela noite, o vento nos entrelaçava como uma música em nossos ouvidos que nos perpetuou: eu, metade você, Você meu complemento.
Ao negar-te, escondia-me bobamente, como um mergulho no oceano salgado que extingue o respirar e maltrata o ver.
Emergi!
Relutar, já não me cabia, sendo que estava totalmente inebriada com o teu eu indescritível.

E o sim me veio como necessidade.
Vi o sol como sangue, o ar palpável, as flores, cor de alegria.
O sorriso encantador e prateado da lua no imenso negro, lembrava o incalculável da minha alma.
A magnitude de tua essência não me permite ver mais o feio.
E nos lábios o sorriso não me falta.
O existir que em outrora refletia sem sentido mínimo, me fez querer cem a mais.
E o exagero opcional, refleti o quão maravilhosamente me encontro. O tolo não aceitar de antes que me fazia doer uma dor camuflada em falsa felicidade, esse faço questão que não mais exista.
No paralelo, observo o fechar dos teus olhos, o aquecer de sua pele. Me sinto gigante no seu abraço e te vejo pequeno ao meu querer.
Nas rebuscadas explicações encontro o permitir, meu, seu, nosso! E nas promessas de não prometer a clareza da lealdade, nos fortalece.
Nossas metades, agora um todo, torna-se, como o aumentar do nascer do dia, mais cúmplices.
Bela como sua presença é como vejo a vida. Porque o brilho dos teus olhos negros, enfeitam o meu viver.
Palavras expressam sua presença em mim, embora intensas, corresponde ao que vivo agora, que ao seu lado é milhões de vezes mais colorido.
Quero estar assim, cada dia mais, mesmo que o amanhã já não nos pertença.
Quero você em mim, porque agora estás meu, tanto quanto eu, sua!  


*descompassante e *envergonhante: Palavras não existentes. Linguagem da autora, poeticas.

PS: Dias de felicidade proporcionados por uma pessoa incrível, que faço questão de nunca esquecer: Você: Otton!!  Obrigada por tudo!! Nossa música

Nenhum comentário:

Postar um comentário